Ginecomastia: quando o homem tem mama a mais

Ginecomastia: quando o homem tem mama a mais

Partilhe este artigo:

Não é raro vermos homens com um tamanho de mama maior do que seria de esperar. Diria até que todos nós teremos um familiar, amigo ou conhecido que sofre com este problema, já que se estima que 30 a 40% dos homens possam desenvolver ginecomastia. Mas, afinal, o que é isto?

A ginecomastia é o termo utilizado para descrever o desenvolvimento excessivo da glândula mamária no homem, resultando na presença de um nódulo (que poderá ser doloroso) ou numa mama de tamanho acima do expectável, podendo ser equivalente ou superior ao da mama feminina. Habitualmente, a ginecomastia surge por um desequilíbrio entre os níveis de estrogénio e de testosterona e pode surgir naturalmente em três fases da vida: após o nascimento (por influência dos estrogénios que recebe da mãe), tendo resolução espontânea nas primeiras semanas ou meses de vida; na puberdade (fase em que há uma modificação nos níveis hormonais), com resolução, normalmente, 2 a 3 anos após o início da puberdade; e em idades mais avançadas, a partir dos 50-60 anos, por diminuição dos níveis de testosterona e aumento do tecido adiposo. Contudo, a ginecomastia pode também desenvolver-se de forma patológica, em casos de excesso de peso, toma de determinada medicação (como esteroides anabolizantes, estrogénios e alguns medicamentos para patologia cardíaca), certos tipos de tumores, ou algumas doenças, sendo que nestes casos requer tratamento cirúrgico e correção da causa.

Parece ser algo pequeno, um pormenor, mas, na verdade, a ginecomastia acaba por ter um impacto enormíssimo na vida do homem. A nível de saúde física, o maior problema está associado à coluna, resultado de uma má postura, em que o homem inclina os ombros para a frente para tentar esconder o aumento da mama. Situações em que o crescimento da mama se dá apenas num dos lados acabam por trazer grande desequilíbrio ao corpo, resultando também em problemas associados à coluna. Dor e cancro da mama podem ser também consequências associadas a esta condição, mas não são, de todo, situações comuns.

No entanto, as maiores repercussões da ginecomastia notam-se no bem-estar emocional. Estas situações trazem um forte sentimento de vergonha e de perda de masculinidade, o que acaba por ter impacto da vida social, amorosa e familiar. E isto é ainda mais impactante nos adolescentes, numa altura em que deviam ir à praia com os amigos e não vão por vergonha, numa altura em que deviam praticar desporto e não praticam com receio do que os colegas possam dizer no balneário, entre muitas outras situações. É, por isso, importante reagir atempadamente e garantir que a situação é acompanhada desde cedo por um médico, para que se possa intervir na melhor fase e ajudar o adolescente a viver com maior conforto.

Em casos moderados, e dependendo da consistência da mama, o tratamento da ginecomastia pode passar por uma lipoaspiração, mas em casos mais graves é frequentemente necessário que se realize um procedimento semelhante a uma mastectomia na mulher, para que se retire a gordura, o tecido mamário e a pele, que estão em excesso. São procedimentos relativamente simples e rápidos e sem grandes complicações, em que o paciente pode ter alta ao fim do dia ou no dia seguinte. É um passo pequeno, mas com uma repercussão imensurável da vida do homem, que recupera de imediato a sua autoestima e toda a sua vida.

Ver artigo original na Vital Health.

Partilhe este artigo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *