Mamoplastia de redução: quando as mamas não são proporcionais ao corpo

Mamoplastia de redução: quando as mamas não são proporcionais ao corpo

Partilhe este artigo:

Quando se fala em cirurgia mamária é comum que se pense imediatamente na cirurgia de aumento, contudo desengane-se quem considera que não existem mulheres que procuram reduzir o tamanho das suas mamas. Um peito excessivamente grande, que não se adequa e não é proporcional ao corpo, pode ter muitas complicações estéticas, emocionais e físicas (dificuldades sociais, dores de costas, dor mamária, deformidade na região dos ombros, má-postura e até dificuldades na higiene).

Estas são algumas das queixas frequentes que motivam a mulher a recorrer à mamoplastia de redução, procurando recuperar o seu bem-estar físico e psicológico. Esta é uma cirurgia que vai permitir diminuir o volume e o peso das mamas, melhorando não só a sua forma, mas também todo o enquadramento e relação com a restante fisionomia. Essencialmente consiste na remoção do excesso de glândula, gordura e de pele da mama. Mas é apenas retirado o excesso de volume? A mama poderá continuar descaída? Não, a arquitectura da mama é reposta após a remoção do excesso e a montagem é realizada numa nova posição, normalmente mais elevada, repondo toda a harmonia do corpo feminino.

Numa mamoplastia de redução, existem vários tipos de cicatrizes pelas quais os cirurgiões podem optar durante este procedimento, sendo que devem ter em conta não só o sucesso da cirurgia, bem como a estética. Podemos realizar a cirurgia com uma cicatriz à volta do mamilo (periareolar), acrescentando uma cicatriz vertical do mamilo até ao sulco mamário (circunvertical) ou, nos casos mais marcados, acrescentar uma cicatriz horizontal escondida no sulco mamário (mini-T invertido ou âncora) Com o passar do tempo as cicatrizes tornam-se cada vez mais impercetíveis.

Normalmente a mamoplastia de redução tem uma duração de cerca de duas horas e meia, sendo possível ser realizada em regime ambulatório, com entrada e saída no mesmo dia, ou com uma noite de internamento. De regresso a casa, há alguns cuidados a ter tal como em qualquer outra cirurgia. Neste caso, não deve conduzir durante uma semana, deve retomar a atividade laboral apenas após 8 dias, utilizar o sutiã cirúrgico durante 6-8 semanas e não fazer esforços maiores nas primeiras semanas.

É importante compreender que hoje em dia, com a técnica adequada, a mamoplastia de redução não impossibilita que uma mulher amamente. As mamas serão igualmente funcionais, apenas mais pequenas, proporcionais e confortáveis. Ao nível da sensibilidade, inicialmente pode estar diminuída ou aumentada, retomando praticamente o estado pré-cirúrgico em cerca de 2 a 6 meses.

Os resultados da mamoplastia de redução são duradouros, mas podem sempre existir fatores que comprometam o tamanho e volume da mama, tais como futuras gravidezes, oscilações de peso ou até mesmo o natural envelhecimento do corpo.

No entanto, cada caso é um caso e quando se fala do corpo humano não há uma regra absoluta. Assim, e tal como em qualquer outra cirurgia, antes de avançar com uma mamoplastia de redução é importante escolher um cirurgião experiente que possa avaliar a condição da paciente e qual a solução mais adequada.

Ver o artigo original sobre mamoplastia de redução na Women’s Health.

Partilhe este artigo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *